Palavra do Papa – 19 de novembro

22 de novembro de 2017 Doutrinas


ANGELUS

Praça de São Pedro – Vaticano Domingo 19 de novembro de 2017

Caros Irmãos e Irmãs, Bom dia!
Neste penúltimo domingo do ano litúrgico, o Evangelho apresenta a parábola de talentos. Um homem, antes de partir para uma viagem, entregou talentos a seus servos, que na época eram moedas de valor considerável: a um servo deu cinco talentos, um para o outro, de acordo com as habilidades de cada pessoa. O servo que recebeu cinco talentos é empreendedor e ganhou mais cinco. Da mesma forma, o servo que recebeu dois deles, adquiriu outros dois. Mas, o servo que recebeu um, escava um buraco no chão e escondeu a moeda do seu mestre.
É este mesmo servo que explica ao mestre, no seu retorno, o motivo de seu gesto, dizendo: “Senhor, eu sei que você é um homem difícil, colheem onde você não semeou e reúne onde você não se dispersou. Tive medo e fui esconder seu talento no chão “. Este servo não tem relação confiável com seu mestre, mas ele tem medo dele, e ele detém o talento. O medo imobiliza sempre e muitas vezes leva a escolhas equivocadas. O medo desencoraja a tomar iniciativas, e faz se refugiar em soluções seguras e garantidas, e assim acaba-se por não se fazer nada de bom. Para avançar e crescer no caminho da vida, é preciso confiar.
Esta parábola nos faz perceber o quão importante é ter uma verdadeira ideia de Deus. Não precisamos pensar que Ele é um mestre ruim, severo e que quer nos punir. Se houver esta imagem errada de Deus em nós, nossa vida não pode ser frutífera, porque viveremos com medo e isso não nos levará a nada construtivo, antes, o medo nos paralisará. Somos chamados a refletir para descobrir qual é verdadeiramente nossa ideia de Deus
Já no Antigo Testamento ele se revelou como Deus misericordioso e compassivo, lento à ira e rico de amor e de fidelidade. E Jesus sempre nos mostrou que Deus não é um Senhor severo e intolerante, mas um Pai repleto de amor, de ternura, um Pai cheio de bondade. Portanto, podemos e devemos ter uma imensa confiança n’Ele.
Jesus nos mostra a generosidade e a solicitude do Pai em muitos modos: com a sua palavra, com seus gestos, com seu acolhimento a todos, especialmente para com os pecadores, os pequenos e os pobres – como hoje nos recorda também o 1º dia Mundial dos Pobres –; mas também com suas advertências, que revelam seu interesse a fim de que não desperdicemos inutilmente nossa vida. Efetivamente, é sinal de que Deus tem grande estima por nós: essa consciência nos ajuda a sermos pessoas responsáveis em toda nossa ação.Portanto, a parábola dos talentos nos chama a uma responsabilidade pessoal e a uma fidelidade que se torna também capaz de colocar-nos novamente a caminho em novas estradas, sem “enterrar o talento”, ou seja, os dons que Deus nos confiou, e dos quais nos pedirá conta.
A Santíssima Virgem interceda por nós, para que possamos ser fiéis à vontade de Deus, multiplicando os talentos que ele nos deu. Então, seremos úteis para os outros e, no último dia, seremos recebidos pelo Senhor, que nos convidará a participar da sua alegria.

Sem comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Compartilhe: