Palavra do Papa – 7 de maio

16 de maio de 2017 Doutrinas


REGINA COELI

Praça São Pedro – Vaticano
Domingo, 7 de maio, 2017
Queridos irmãos e irmãs, bom dia!
Neste Evangelho deste domingo (cf. Jo 10,1-10), chamado de “o domingo do Bom Pastor,” Jesus é apresentado com duas imagens que se complementam. A imagem do pastor e a imagem da porta do redil. O rebanho, que somos todos nós, tem como moradia um redil que serve de refúgio, onde as ovelhas vivem e descansam após o cansaço do caminho. E o redil tem um recinto com uma porta, onde há um guardião. Várias pessoas se aproximam do rebanho. Há quem entra no recinto pela porta e quem sobe por outro lado. O primeiro é o pastor, o segundo um estranho que não ama as ovelhas, que quer entrar, mas por outros interesses. Jesus se identifica com o primeiro e manifesta uma relação de familiaridade com as ovelhas, expressa através da voz, com a qual chama e que elas reconhecem e seguem. Ele os chama para levá-las para fora para pastos verdes onde encontra boa comida.
A segunda imagem com a qual Jesus se apresenta é a da “porta das ovelhas” (v. 7). Na verdade, ele diz: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo” (v. 9), que tenham vida e a tenham em abundância (cf. v. 10). Cristo, o Bom Pastor, tornou-se a porta da salvação para a humanidade, pois ele ofereceu sua vida por suas ovelhas.
Cristo, Bom Pastor, tornou-se a porta da salvação da humanidade, porque ofereceu a sua vida pelas ovelhas. Jesus, bom pastor e porta das ovelhas, é um chefe cuja autoridade se expressa no serviço, um chefe que, para comandar, doa a vida e não pede aos outros para sacrificá-la. É possível confiar em um chefe assim, como as ovelhas que escutam a voz do seu pastor, porque sabem que ele leva a campos bons e abundantes. Basta um sinal, um chamado, que elas o seguem, obedecem, caminham em direção da voz daquele que ouvem como presença amiga, forte e doce, que conduz e protege, consola e cuida.
Assim é Cristo para nós. Há uma dimensão da experiência cristã que talvez deixamos um pouco de lado: a dimensão espiritual e afetiva, o sentirmo-nos ligados por um vínculo especial ao Senhor como as ovelhas ao seu pastor. Às vezes, racionalizamos muito a fé e corremos o risco de perder a percepção do timbre daquela voz, da voz de Jesus, Bom Pastor, que estimula, que fascina. Como aconteceu com os dois discípulos de Emaús, cujos corações queimavam quando o Ressuscitado falava ao longo do caminho. É a maravilhosa experiência de ser amado por Jesus Faça-se a pergunta: “. Eu me sinto amado por Jesus? Eu me sinto amado por Jesus?”. A Ele nunca são estranhos, mas amigos e irmãos. No entanto, nem sempre é fácil distinguir a voz do bom pastor. Tenha cuidado. Há sempre o risco de se distrair com o ruído de muitas outras vozes. Hoje somos convidados a deixar-nos longe da falsa sabedoria deste mundo, mas para seguir a Jesus, o Ressuscitado, como o único guia seguro que dá sentido às nossas vidas.
Neste Dia Mundial de Oração pelas Vocações – especialmente pelas vocações sacerdotais, para que o Senhor envie-nos bons pastores – invocamos a Virgem Maria. Nossa Senhora apoie com a sua ajuda aqueles que são chamados por Ele, de modo que eles estejam prontos e generosos em seguir sua voz.

Sem comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Compartilhe: