ANGELUS – 17 de Novembro de 2019

17 de novembro de 2019 Doutrinas


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste penúltimo domingo do ano litúrgico (cf. Lc 21, 5-19) apresenta-nos o discurso de Jesus sobre o fim dos tempos. Jesus pronunciou-o diante do templo de Jerusalém, um edifício admirado pelo povo pela sua grandeza e esplendor. Mas Ele profetiza que de toda aquela beleza do templo, que da grandeza «não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído» (v. 6). A destruição do templo predita por Jesus não é tanto uma figura do fim da história, mas da finalidade da história. De facto, aos ouvintes que querem saber como e quando estes sinais acontecerão, Jesus responde com a típica linguagem apocalíptica da Bíblia.

Ele usa duas imagens aparentemente contrastantes: a primeira é uma série de eventos assustadores: catástrofes, guerras, carestias, tumultos e perseguições (cf. vv. 9-12); a outra é tranquilizadora: «não se perderá um só cabelo da vossa cabeça» (v. 18). Em primeiro lugar, há um olhar realista sobre a história, marcada por calamidades e também pela violência, por traumas que ferem a criação, a nossa casa comum, e também a família humana que nela vive, e a própria comunidade cristã. Pensemos nas tantas guerras de hoje, nas muitas calamidades de hoje. A segunda imagem – contida na certeza de Jesus – diz-nos a atitude que o cristão deve assumir ao viver esta história, caracterizada pela violência e pela adversidade.

E qual é a atitude do cristão? É a atitude de esperança em Deus que torna possível não se deixar dominar por acontecimentos trágicos. Na verdade, eles são «ocasião de dar testemunho» (v. 13). Os discípulos de Cristo não podem permanecer escravos dos medos e das angústias; pelo contrário, são chamados a viver a história, a deter a força destruidora do mal, com a certeza de que a ternura providente e tranquilizadora do Senhor acompanha sempre a sua ação de bem. Este é o sinal eloquente de que o Reino de Deus vem até nós, isto é, que a realização do mundo como Deus o quer está a aproximar-se. É Ele, o Senhor, quem conduz as nossas vidas e conhece o propósito último das coisas e eventos.

O Senhor chama-nos a colaborar na construção da história, tornando-nos, com Ele, pacificadores e testemunhas de esperança num futuro de salvação e ressurreição. A fé faz-nos percorrer com Jesus os caminhos muitas vezes tortuosos deste mundo, na certeza de que o poder do seu Espírito vencerá as forças do mal, submetendo-as ao poder do amor de Deus. O amor é superior, o amor é mais poderoso, porque é Deus: Deus é amor. Os mártires cristãos são um exemplo para nós – os nossos mártires, também do nosso tempo, que são mais numerosos do que no início – que, apesar das perseguições, são homens e mulheres de paz. Dão-nos uma herança para preservar e imitar: o Evangelho do amor e da misericórdia. Este é o tesouro mais precioso que nos foi dado e o testemunho mais eficaz que podemos transmitir aos nossos contemporâneos, respondendo ao ódio com amor, à ofensa com o perdão. Até na nossa vida quotidiana: quando recebemos uma ofensa, sentimos dor; mas devemos perdoar de coração. Quando nos sentimos odiados, rezemos com amor pela pessoa que nos odeia. Que a Virgem Maria, pela sua materna intercessão, ampare o nosso caminho diário de fé, seguindo o Senhor que guia a história.

Sem comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Compartilhe: