ANGELUS – 16 DE DEZEMBRO DE 2018

16 de dezembro de 2018 Doutrinas


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Neste terceiro domingo de Advento a liturgia convida-nos à alegria. Ouvi bem: à alegria. O profeta Sofonias dirige-se com estas palavras à pequena porção do povo de Israel: “Solta gritos de alegria, ó filha de Sião! Solta gritos de júbilo, ó Israel! Alegra-te e rejubila-te de todo o teu coração, filha de Jerusalém!” (3, 14). Gritar de alegria, exultar, alegrar-se: eis o convite deste domingo. Os habitantes da cidade santa são chamados a alegrar-se porque o Senhor revocou a sua condenação (cf. v. 15). Deus perdoou, não quis punir! Consequentemente para o povo não existe motivo de tristeza, já não há motivo de desânimo, mas tudo leva a uma gratidão jubilosa rumo a Deus, que deseja sempre resgatar e salvar aqueles que ama. E o amor do Senhor pelo seu povo é incessante, comparável com a ternura do pai pelo filho, do esposo pela esposa, como diz ainda Sofonias: “Ele exultará de alegria por causa de ti, ele te renovará pelo seu amor; ele dançará por ti com gritos de júbilo” (v. 17). Este — como é intitulado — é o domingo da alegria: o terceiro domingo do Advento, antes do Natal.

Este apelo do profeta é particularmente apropriado no tempo em que nos preparamos para o Natal, porque se aplica a Jesus, o Emanuel, o Deus conosco: a sua presença é a fonte da alegria. De facto, Sofonias proclama: “O Senhor é rei de Israel no meio de ti” e depois repete: “O Senhor, teu Deus, está no meio de ti como poderoso salvador!” (vv. 15.17). Esta mensagem encontra o seu pleno significado no momento da anunciação a Maria, narrada pelo evangelista Lucas. As palavras dirigidas pelo anjo Gabriel à Virgem são como um eco daquelas do profeta. O que diz o arcanjo Gabriel? “Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo” (Lc 1, 28). “Salve”, diz a Nossa Senhora. Numa aldeia isolada da Galileia, no coração de uma jovem desconhecida ao mundo, Deus acende a centelha da felicidade para o mundo inteiro.

E hoje o mesmo anúncio é dirigido à Igreja, chamada a receber o Evangelho para que se torne carne, vida concreta. Diz à Igreja, a todos nós: “Alegra-te, pequena comunidade cristã, pobre e humilde mais linda aos meus olhos porque desejas fervorosamente o meu Reino, tens fome e sede de justiça, teces com paciência redes de paz, não segues os poderosos de plantão, mas permaneces fielmente ao lado dos pobres. E assim não tens medo de nada, mas o teu coração está na alegria”. Se vivermos assim, na presença do Senhor, o nosso coração estará sempre na alegria. A alegria “de alto nível”, quando existe, plena, e a alegria humilde de todos os dias, isto é a paz. A paz é a menor alegria, mas é alegria.

Também São Paulo hoje nos exorta a não nos angustiarmos, a não desesperarmos por nada, mas em qualquer circunstância a apresentar a Deus os nossos pedidos, as nossas necessidades, as nossas preocupações “com orações e súplicas” (Fl 4, 6). A consciência de que nas dificuldades nos podemos sempre dirigir ao Senhor, e que Ele nunca recusa as nossas invocações, é um grande motivo de alegria. Nenhuma preocupação, nenhum medo conseguirá tirar a serenidade que vem não das realidades humanas, das consolações humanas, não, a serenidade que vem de Deus, do saber que Deus guia amorosamente a nossa vida, e fá-lo sempre. Até no meio dos problemas e dos sofrimentos, esta certeza alimenta a esperança e a coragem.

Mas para aceitar o convite do Senhor à alegria, é preciso ser pessoas dispostas a pôr-se em questão. O que significa isto? Precisamente como aqueles que, depois de terem ouvido a pregação de João Batista, lhe perguntam: tu pregas assim, e nós “o que devemos fazer?” (Lc 3, 10). O que devo fazer? Esta pergunta é o primeiro passo para a conversão que somos convidados a realizar neste tempo de Advento. Cada um de nós se questione: o que devo fazer? Algo pequenino mas “o que devo fazer?”. E a Virgem Maria, que é nossa mãe, nos ajude a abrir o nosso coração ao Deus que vem, para que Ele inunde de alegria toda a nossa vida.

Sem comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Compartilhe: