ANGELUS – 01 de Dezembro de 2019

1 de dezembro de 2019 Doutrinas

ANGELUS – 01 de Dezembro de 2019

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje, primeiro domingo do Advento, começa um novo Ano litúrgico. Nestas quatro semanas de Advento, a liturgia leva-nos a celebrar o Natal de Jesus, porque nos recorda que Ele vem todos os dias às nossas vidas, e voltará gloriosamente no final dos tempos. Esta certeza leva-nos a olhar para o futuro com confiança, como nos convida o profeta Isaías, que com a sua voz inspirada acompanha todo o caminho do Advento.

Na primeira leitura de hoje, Isaías profetiza que «no fim dos temposo monte do templo do Senhor estará firme, será o mais alto de todos, e dominará sobre as colinas. Acorrerão a ele todas as gentes»(2, 2). O templo do Senhor em Jerusalém é apresentado como o ponto de convergência e encontro de todos os povos. Depois da Encarnação do Filho de Deus, o próprio Jesus revelou-se como o verdadeiro templo. Portanto, a maravilhosa visão de Isaías é uma promessa divina e impele-nos a assumir uma atitude de peregrinação, de caminho para Cristo, sentido e fim de toda a história. Aqueles que têm fome e sede de justiça só podem encontrá-la através dos caminhos do Senhor, enquanto o mal e o pecado provêm do facto de os indivíduos e os grupos sociais preferirem seguir caminhos ditados por interesses egoístas, provocando conflitos e guerras. O Advento é o tempo propício para acolher a vinda de Jesus, que vem como mensageiro de paz para nos mostrar os caminhos de Deus.

No Evangelho de hoje, Jesus exorta-nos a estar prontos para a sua vinda: «Vigiai, pois, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor» (Mt 24, 42). Vigiar não significa ter os olhos materialmente abertos, mas ter o coração livre e orientado para a direção certa, ou seja, disposto a dar e servir. Isto é vigiar! O sono do qual devemos despertar é constituído pela indiferença, pela vaidade, pela incapacidade de estabelecer relações genuinamente humanas, pela incapacidade de cuidar do nosso irmão sozinho, abandonado ou doente. Portanto, a expetativa de Jesus que vem deve traduzir-se num compromisso de vigilância. Trata-se, sobretudo, de se maravilhar com a ação de Deus, com as suas surpresas e  dar-lhe a primazia. Vigilância significa também, concretamente, estar atento ao próximo em dificuldade, deixar-se interpelar pelas suas necessidades, sem esperar que ele ou ela nos peça ajuda, mas aprendendo a prevenir, a antecipar, como Deus sempre faz connosco.

Maria, Virgem vigilante e Mãe da esperança, nos guie neste caminho, ajudando-nos a dirigir o olhar para o “monte do Senhor”, imagem de Jesus Cristo, que atrai  a si todos os homens e todos os povos.

Sem comentário ainda

Você pode ser o primeiro a comentar!

Deixe um comentário

Compartilhe: